Epilepsia

O que é?

É uma alteração temporária e reversível do funcionamento do cérebro, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos e se expressa por crises epilépticas repetidas.

A causa pode ser uma lesão no cérebro, decorrente de uma forte pancada na cabeça, uma infecção (meningite, por exemplo), neurocisticercose ("ovos de solitária" no cérebro), abuso de bebidas alcoólicas, de drogas, etc. Às vezes, algo que ocorreu antes ou durante o parto. Muitas vezes não é possível conhecer as causas que deram origem à epilepsia

Sintomas:

As crises epilépticas podem se manifestar de diferentes maneiras:

A crise convulsiva é a forma mais conhecida pelas pessoas e é identificada como "ataque epiléptico". Nesse tipo de crise a pessoa pode cair ao chão, apresentar contrações musculares em todo o corpo, mordedura da língua, salivação intensa, respiração ofegante e, às vezes, até urinar.

A crise do tipo "ausência" é conhecida como "desligamentos". A pessoa fica com o olhar fixo, perde contato com o meio por alguns segundos. Por ser de curtíssima duração, muitas vezes não é percebida pelos familiares e/ou professores.

Há um tipo de crise que se manifesta como se a pessoas estivesse "alerta" mas não tem controle de seus atos, fazendo movimentos automaticamente. Durante esses movimentos automáticos involuntários, a pessoa pode ficar mastigando, falando de modo incompreensível ou andando sem direção definida. Em geral, a pessoa não se recorda do que aconteceu quando a crise termina. Esta é chamada de crise parcial complexa.

Existem outros tipos de crises que podem provocar quedas ao solo sem nenhum movimento ou contrações ou, então, ter percepções visuais ou auditivas estranhas ou, ainda, alterações transitórias da memória.

Tratamento:

O tratamento das epilepsias é feito através de medicamentos que evitam as descargas elétricas cerebrais anormais, que são a origem das crises epilépticas. Acredita-se que pelo menos 25% dos pacientes com epilepsia no Brasil são portadores em estágios mais graves, ou seja, com necessidade do uso de medicamentos por toda a vida, sendo as crises frequentemente incontroláveis e então candidatos a intervenção cirúrgica. No Brasil já existem centros de tratamento cirúrgico aprovados pelo Ministério da Saúde.

Fonte: Portal MS - Ministério da Saúde

Agende sua consulta

Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida

Contato

61 3272-5033

Segunda a Sexta-feira de 08h às 19h.


Sábado de 08:00 às 12:00


Hospital dia: todos os dias, inclusive domingos e feriados.

RT: Dr. Carlos Bernardo Tauil | CRM-DF: 12771

Dr. Lucas Cruz Costa Leal
Neurologista e Neurofisiologista

FORMAÇÃO

  • Graduado em Medicina pelo Centro Universitário UNIRG. Conclusão em Dezembro de 2013;
  • Residência em Neurologia pelo Hospital de Base do DF. Conclusão em Fevereiro de 2018;
  • Residência em Neurofisiologia clínica pelo Hospital de Base do DF;
  • Experiência na área de Epilepsia;
  • Leitura fluente em inglês (2007).

EXPERIÊNCIA

  • 2018-Atual – Médico Neurologista na Clínica Sinapse Neurologia em Brasília-DF;
  • 2015-Atual – Médico plantonista do Box de Emergências do Hospital Regional de Santa Maria-DF;
  • 2014 (Fevereiro a Dezembro) – Médico de ESF na Cidade de Campos Belos - GO;
  • 2014 (Janeiro) – Médico Plantonista no Hospital de Urgências de Trindade – GO;
  • 2010 – Estágio no Pronto Socorro do Hospital Neurológico de Goiânia – GO – Duração de 02 semanas.

ATIVIDADES

  • Autor do Capítulo Neuropatias Periféricas, que faz parte do livro: Neurologia da editora Atheneu;
  • Participante da LASSE 2019 (Escola Latino Americana de Epilepsias);
  • Residente chefe da residência de Neurologia do Hospital de Base por 3 anos;
  • Premiado com melhor trabalho por uma pesquisa sobre Relação entre uso de anticoncepcionais e cefaléia exposto no XXVI Congresso Brasileiro de Cefaléia no ano de 2013 - Orientação da Dra. Margareth Giglio - Staff da Ginecologia do Hosp. Materno Infantil.

NEUROLOGIA

A Neurologia é a especialidade que se dedica ao diagnóstico e tratamento das doenças que afetam o sistema nervoso (cérebro, tronco encefálico, cerebelo, medula espinhal e nervos) e os componentes do sistema nervoso periférico (junção neuromuscular, nervos e músculos).

As doenças mais comuns tratadas pelo neurologista são:

  • ​Cefaleias ou dores de cabeça;
  • Distúrbios do sono (insônia, excesso de sono, sono não restaurador, ronco, apnéia do sono);
  • Doenças cerebrovasculares (AVE) ou “derrames”;
  • Distúrbios do movimento (como tremores, tiques e doença de Parkinson);
  • Demências (como doença de Alzheimer);
  • Doenças desmielinizantes (como a Esclerose Múltipla);
  • Neuropatías periféricas (como a Neuropatía Diabética);
  • Doenças musculares e da junção (como a Miastenia Gravis);
  • Desmaios, crises convulsivas e epilepsias;
  • Tonturas e vertigens;
  • Infecções do sistema nervoso (como Meningites e Encefalites);
  • Tumores;
  • Doenças degenerativas (como a ELA);
  • Déficit de atenção e hiperatividade;
  • Formigamentos, perda de memória, confusão, perda de força, alteração na visão, mudança de comportamento, etc;

A neurologia também tem interface com a psiquiatria que trata de casos de depressão, ansiedade, irritabilidade e pânico.

NEUROFISIOLOGIA

A neurofisiologia é um ramo da fisiologia que tem como objeto de estudo o funcionamento do sistema nervoso. Faz parte do campo científico denominado neurociência.

Relaciona-se com a:

  • ​Eletrofisiologia;
  • Neuroanatomia;
  • Neurobiologia;
  • Neuroendocrinologia;
  • Neuroimunologia.
  • Contribuindo para ciências médicas aplicadas como a neurologia e neurofisiologia clínica.

    NEUROPSICOLOGIA

    A Neuropsicologia é uma interface ou aplicação da psicologia e da neurologia, que estuda as relações entre o cérebro e o comportamento humano.

    Sua principal área de atuação é na compreensão de como lesões, malformações, alterações genéticas ou qualquer agravo que afete o sistema nervoso causam déficits (alterações) em diversas áreas do comportamento e da cognição humana.

    Em outras palavras, a neuropsicologia atua mais frequentemente no estudo das funções mentais superiores, sem deixar de estudar áreas como agressividade, sexualidade, que tradicionalmente são investigadas por abordagens fisiológicas e biológicas (neurobiologia, neurofisiologia, psicofisiologia, psicobiologia). Desse modo a neuropsicologia compõe fortemente o campo das neurociências, com ênfase na neurociência cognitiva.

    PSIQUIATRIA

    Psiquiatria é uma especialidade da Medicina que lida com a prevenção, atendimento, diagnóstico, tratamento e reabilitação das diferentes formas de sofrimentos mentais, sejam elas de cunho orgânico ou funcional, com manifestações psicológicas severas.

    São exemplos: a depressão, o transtorno bipolar, a esquizofrenia, a demência e os transtornos de ansiedade. Os médicos especializados em psiquiatria são em geral designados por psiquiatras (até meados do século XX foi também comum a designação alienistas).

    A meta principal é o alívio do sofrimento e o bem-estar psíquico. Para isso, é necessária uma avaliação completa do paciente, com perspectivas biológica, psicológica e de ordem cultural, entre outras afins. Uma doença ou problema psíquico pode ser tratado com medicamentos ou terapêuticas diversas, como a psicoterapia, prática de maior tradição no tratamento.

    PSICOLOGIA

    Psicologia é a ciência que estuda o comportamento e as funções mentais.

    A psicologia tem como objetivo imediato a compreensão de grupos e indivíduos tanto pelo estabelecimento de princípios universais como pelo estudo de casos específicos,e tem, segundo alguns, como objetivo final o benefício geral da sociedade.

    Um pesquisador ou profissional desse campo é conhecido como psicólogo, podendo ser classificado como cientista social, comportamental ou cognitivo.

    A função dos psicólogos é tentar compreender o papel das funções mentais no comportamento individual e social, estudando também os processos fisiológicos e biológicos que acompanham os comportamentos e funções cognitivas.

    NUTRICIONISTA

    Esse profissional também visa à segurança alimentar e à atenção dietética, em todas as áreas do conhecimento em que a alimentação e nutrição se apresentem fundamentais para a promoção, manutenção e recuperação da saúde e para a prevenção de doenças de indivíduos ou grupos populacionais.

    Sua atuação contribui para a melhoria da qualidade de vida e deve ser pautada em princípios éticos, com reflexões sobre a realidade econômica, política, social e cultural do país.

    MEDICINA DO SONO

    A Medicina do Sono é a indução do sono com propósitos psiquiátricos, é uma área da saúde que estuda as funções do sono, os seus distúrbios e o impacto destes distúrbios na vida dos indivíduos.

    Atualmente conhece-se mais de oitenta distúrbios do sono e estes podem ser divididos entre aqueles que:

    • Provocam redução do sono:
    • Insônia

    • Levam ao aumento do sono:
    • Narcolepsia ;

      Apneia do sono.

    • Ocorrem durante o sono sem alterar a duração do sono:
    • Ranger de dentes durante o sono (bruxismo)

      Urinar durante o sono (enurese noturna, incontinência urinária)

      Sonambulismo

      Pesadelo

      Terror noturno

      Ronco e a fala durante o sono (sonilóquio).